Pular para a barra de ferramentas

Oferecimento:

Nas últimas décadas, enquanto a violência crescia no Brasil, em São Paulo, diminuía e, parece, pouca gente fica curiosa da razão. São Paulo melhora porque a Polícia tem um treinamento de qualidade. E se alguém pensa que é porque o Estado paga bem, vai surpreender-se, pois os policiais paulistas recebem o quinto pior salário do Brasil. Ou seja? Não é o salário, embora mereçam um melhor.

Entre as policias que mais matam, SP é a décima primeira, com taxa de 1,9 por cem mil habitantes, o Rio, que é o segundo, tem 5,6. Já no quesito morte de policiais, SP é o 13o., com taxa de 0,7 por mil policiais, enquanto o Rio, o pior, com 2,3. E o melhor dado, taxa de assassinatos, o menor, São Paulo, com 9,5; depois, Santa Catarina     com 14,2; Minas Gerais, 21,5; Piauí, 22,1; e Rio de Janeiro, 23,5. Com essa evidência gritante, por que não imitam São Paulo?

O método utilizado para treinar a polícia paulista foi desenvolvido pelo Cel. Nilson Giraldi que o ensina sem cobrar nada. Basta ler a descrição do método no site da PM-SP para ver que tem muito bom senso. Na análise dele, quando a arma do policial, que deve ser para proteger a sociedade, volta-se contra ela, é a maior crise para a Polícia e a desmoralização do Estado. E o mau uso dessa arma é a maior causa da morte de policiais e da perda da liberdade do policial.

O Método Giraldi propõe acabar com essas “tragédias” através de treinamento correto. Uma polícia é consequência do seu treinamento e da qualidade dos seus professores. Professores imbecis geram policiais imbecis e professores respeitosos geram policiais respeitosos que gerarão uma polícia respeitosa. É aqui que está o segredo para a construção de uma boa polícia.

O método caracteriza o agressor como traiçoeiro e covarde, e sua arma como sinônimo de morte. Já o policial representa o Estado, o bem, a vida para ele é prioridade, o tiro sua última alternativa para preservar vidas inocentes, incluindo a sua. Sua arma é sinônimo de vida. Comparando com futebol, se ganhar de 10 a 1 é derrota (matou 10 agressores, mas morreu uma pessoa que não deveria). Zero a zero é vitória! Muitos não quererão entender, não matar inocentes é sempre vitória.

Entre as características do Método Giraldi: se for possível solucionar sem uso da força, sem tiros, por mais tempo que demore, assim será. Ensinar o policial a usar sempre a razão, não a emoção, não se precipitar, nem praticar a “valentia perigosa”. Nunca querer pegar o agressor de qualquer jeito, pedir apoio. Não colocar sua vida e a vida de pessoas inocentes em risco, pedir apoio.

Não apontar a arma para pessoas inocentes. Não disparar em agressor que estiver no meio do povo, ou se houver pessoas inocentes na mesma linha de tiro, ou se o projétil tiver chances de se tornar uma “bala perdida”, e nem atirar como “advertência”, mas manter-se abrigado e… Pedir apoio! Não disparar em agressor que estiver usando sua vítima como escudo, ou em veículos em fuga, incluindo motos, pode haver pessoas até no porta- malas. É sempre importante observar a necessidade e esperar pela oportunidade.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Um método para melhorar a Polícia

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *