Oferecimento:

A sexta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu nesta terça-feira (5), por unanimidade, liberdade para três funcionários da Vale e dois engenheiros da empresa TÜV SÜD que prestavam serviço para a mineradora. Eles haviam sido presos após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

Durante o julgamento de habeas corpus, o relator do caso, ministro Nefi Cordeiro, observou que os engenheiros e funcionários da Vale já prestaram declarações, já foram feitas buscas e apreensões e não foi apontado qualquer risco que eles pudessem oferecer à sociedade. Makoto Mamba, André Yassuda, o geólogo Cesar Augusto Paulino Grandchamp e os gerentes da Vale, Ricardo de Oliveira e Rodrigo Artur Gomes de Melo foram presos na última terça-feira (29) preventivamente.

As defesas alegam que seus clientes são vítimas e estão detidos apenas para que o Estado dê uma resposta rápida para a sociedade após a tragédia de Minas Gerais.

Todos os ministros ressaltaram a gravidade do fato ocorrido e a comoção social causada pela tragédia em Brumadinho . No entanto, a turma entendeu que não há fundamentos idôneos para as prisões.

Após o cumprimento dos mandados de prisão pela Polícia Federal, a Vale divulgou nota à imprensa na qual informou que está à disposição das autoridades. “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”.

Relembre a tragédia em Brumadinho

A tragédia, que ocorreu no último dia 25, provocou a morte de ao menos 134 pessoas, conforme os últimos números informados pela Defesa Civil de Minas Gerais. O órgão atualizou na segunda-feira o número de vítimas identificadas, que chegou a 120. Por outro lado, ainda há 199 pessoas desaparecidas em meio à lama que tomou a cidade. Tudo foi causado pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale.

A mineradora responsável pela barragem em Brumadinho instalou no sábado (2) a primeira membrana no Rio Paraopeba. Conforme informações divulgadas por  engenheiros  da empresa, a barreira foi colocada próximo à captação de água da cidade de Pará de Minas, a cerca de 40 quilômetros da cidade atingida O sistema de captação será protegido por três barreiras de retenção.

Fonte: Último Segundo – iG 

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
STJ manda soltar engenheiros presos por rompimento de barragem da Vale

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas