Oferecimento:

Apesar das concessões do relator da reforma do Imposto de Renda, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), o Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados (Comsefaz), divulgou carta nesta terça-feira em que pede a rejeição do texto. No documento, eles alegam que o relatório mantém perdas da ordem de R$ 26,1 bilhões por ano para estados e municípios a partir de 2023.

Isso ocorreria por causa das isenções como, por exemplo, o limite de R$ 20 mil na taxação de dividendos, e retirada das empresas do Simples da proposta. A previsão é que o plenário da Câmara dos Deputados vote nesta terça-feira pedido de urgência da apreciação do relatório.

“Postulamos a rejeição dos termos atuais do substitutivo para poder garantir à população brasileira dignidade e serviços públicos que condigam com a expressão das vontades democráticas que nos conduziram às atuais gestões das administrações públicas subnacionais”, diz a carta.

Pressionado por governadores o relator atrelou a queda no tributo ao aumento real na arrecadação (acima da inflação). As mudanças foram apresentadas aos representantes do Comsefaz na quinta-feira.

Contudo, depois de discutir o parecer no fim de semana, os secretários alegam que atrelar o corte do IR à arrecadação não seria a melhor solução. Eles afirmam que a carga tributária é referenciada pelo Produto Interno Bruto (PIB) e não pelo índice de preços, o que significa que aumento acima da inflação não representa elevação de carga, se a economia estiver em ritmo de crescimento.

O Comsefaz considera ainda “temerária” uma redução mais forte no IRPJ, no momento em que o país ensaia a saída da crise, agravada pela pandemia. Eles voltam a defender o texto original do governo que previa corte de 25% para 20% e que sugerem que a medida seja acompanhada de redução da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Isso porque o IR é a principal fonte das transferências de recursos pela União para  estados e municípios.

 “A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é a variável federativa correta para adicionais ajustes que a relatoria porventura considere necessários. Sua receita pertence somente à União, o ente que arrecada mais de dois terços das receitas tributárias do país”, diz a nota do Comsefaz.

O governo não quer mexer na CSLL, que tem alíquota de 9%, porque isso aumentaria o rombo da Seguridade Social.

De acordo com a última versão do relatório, o IRPJ cairá de 25% para 17,5% em 2022, independente do cenário das receitas federais. O relatório prevê ainda uma nova queda no próximo ano, de 2,5 pontos percentuais, caso a arrecadação do Imposto de Renda (de pessoas e empresas) suba mais que a inflação (com aumento real).

O parecer define ainda que a arrecadação do IR entre novembro de 2020 e outubro de 2021 precisará ser maior do que o período entre novembro de 2018 e outubro de 2019 para que a alíquota seja reduzida.

Além disso, o IRPJ cairá mais 2,5 p.p. em 2023 caso a arrecadação do Imposto de Renda entre novembro de 2021 e outubro de 2022 seja maior que as receitas auferidas entre novembro de 2018 e outubro de 2019, já descontada a inflação.Com isso, caso a arrecadação suba mais que a inflação, o IRPJ sairá de 25% para 12,5% em 2023

Via IG

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Sem acordo com estados, reforma tributária pode ser rejeitada pelo Congresso

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *