Oferecimento:

Caso se refere ao pedido da defesa do ex-gerente da Petrobras, Aldemir Bendine, mas pode servir de precedente para casos de outros condenados, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou na tarde desta quinta-feira (26) o julgamento que pode anular condenações da Lava Jato e a maioria entendeu que a tese é válida . Assim, devem ser anuladas todas as sentenças em que réus delatados foram ouvidos no mesmo prazo que delatores. Na quarta-feira, o ministro Edson Fachin voltou a defender que réus delatores e delatados devem se manifestar em prazo conjunto, ao contrário do entendimento da Segunda Turma da Corte. Na retomada do julgamento, o ministro Alexandre de Moraes deu o primeiro voto a favor da tese que pode anular as condenações.

Em seu voto, o ministro Luís Roberto Barroso sugeriu uma solução alternativa para preservar a Lava Jato . Ele votou contra a possibilidade de anulação de condenações se réus delatores e delatados tiverem apresentado alegações finais conjuntas. Mas, segundo ele, se for vitoriosa a tese de que a regra processual seja ouvir os delatados por último, o ideal seria não anular sentenças que seguiram o modelo anterior. Ele sugeriu que a nova interpretação seja aplicada apenas para os casos futuros.

Após um intervalo, a votação retornou com o voto de Rosa Weber, que entendeu que a tese é válida, mas em seguida Luiz Fux defendeu que o juiz deixar de conferir prazos suscetivos à defesa está errado, mas não cabe o caso a ser analisado e, por isso, votaram como Fachin.

Cármen Lúcia foi contrária ao habeas corpus de Aldemir Bendine, mas sustentou a tese sobre o direito à ampla defesa, e, assim, pela anulação das sentenças da Lava Jato.

Em seguida, Ricardo Lewandowski defendeu que não houve o amplo direito da defesa ao se condenadar o réu baseado em acusações de um delator e não esgotados os limites de interpretação. O mesmo pensou Gilmar Mendes e Celso de Melo, deixando o  placar em 6 a 3 e garantindo a maioria.

No mês passado, por considerar que primeiro devem falar os delatores, os ministros anularam a condenação do ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine . Agora, caso semelhante é avaliado pelo plenário.

Com o entendimento, é possível que outras condenações da Lava Jato sejam anuladas, inclusive a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O julgamento, porém, terá impacto imediato apenas para o ex-gerente da Petrobras Márcio de Almeida Ferreira, que apresentou recurso com os mesmos motivos de Bendine.

A decisão será um precedente importante para nortear outras decisões. Mas os juízes e ministros não são obrigados a seguir o mesmo entendimento em casos futuros. Isso porque não há efeito vinculante. Cada magistrado tem autonomia para analisar o caso específico antes de decidir se concede ou nega um habeas corpus.

Para evitar anulações em massa na Lava Jato , ministros estudam nos bastidores restringir a aplicação do entendimento firmado no caso Bendine. A solução seria, no julgamento de novos recursos, aplicar esse entendimento apenas aos réus que apresentaram recurso à primeira instância contra a ordem de alegações finais. Para os demais réus, a interpretação seria de que, se não recorreu na fase anterior, é sinal de que estava satisfeito com a ordem processual aplicada.

 Fonte: Último Segundo – iG

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Maioria do STF decide que sentenças da Lava Jato podem ser anuladas 31

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas