Oferecimento:

A categoria inclui webcams, babás eletrônicas, impressoras, roteadores, câmeras de segurança e outros aparelhos inteligentes capazes de se conectar à Internet

A mineração ilegal de moedas virtuais usando o computador de usuários já se tornou a forma mais comum de ataque dos cibercriminosos em 2018. Porém, atualmente, outro alvo tem ganhado popularidade: a Internet das Coisas – termo usado para dispositivos eletrônicos como câmeras de segurança, babás eletrônicas, impressoras, roteadores, players de mídia, plataformas e sistemas conectados à web por meio de softwares integrados, como Wi-Fi e Bluetooth. Isso ocorre por causa da frágil segurança dos aparelhos: senhas fracas, softwares desatualizados e vulneráveis.

De acordo com relatório publicado pela empresa de segurança Avast no ano passado, um em cada cinco dispositivos da Internet das Coisas está vulnerável a ataques de hackers no Brasil, número correspondente a 21,1% dos aparelhos desta categoria.

A partir desta informação, é possível compreender por que a IoT parece ser ideal para ataques de mineração de criptomoeda. A seguir, o TechTudo explica o que é criptomineração, como os hackers agem em cryptojacking e como você pode proteger os seus dispositivos.

O que é cryptojacking?

Para entender o significado de cryptojacking, é necessário primeiro assimilar o que são as criptomoedas. As moedas virtuais, como Bitcoin e Monero, são geradas quando computadores carregados com software “criptográfico” realizam cálculos matemáticos complexos. Quanto mais rápido os computadores completam os cálculos, mais dinheiro eletrônico eles fazem.

A mineração de criptomoeda sem autorização do dono do dispositivo é chamada de “cryptojacking” – termo em inglês que surgiu da junção das palavras “cryptocurrency” e “hijacking” (criptomoeda e sequestro, em português). Neste golpe, hackers podem atacar aparelhos da Internet das Coisas para aumentar a velocidade de cálculos e, consequentemente, o seu lucro – tudo sem a permissão ou o conhecimento do usuário.

Geladeira é dispositivo de Internet das Coisas e pode ser afetado pelo cryptojacking (Foto: Fabrício Vitorino/TechTudo)

Para Cleber Paiva, gerente de produtos da PROOF, empresa especializada em segurança cibernética, os criminosos procuram vulnerabilidades em sites e dispositivos para monetizar seus ataques. O ato é parecido com um parasita que não inutiliza a vítima, mas busca permanecer em seu hospedeiro sem ser percebido. “Ao contrário dos ataques de ransomware, que utilizavam criptomoedas como monetização, fazendo com que o usuário pagasse para retomar o acesso pleno aos seus sistemas, neste golpe o hacker quer permanecer oculto para usar o máximo possível do seu dispositivo em favor da criptomineração”, explica.

Como ocorrem os ataques?

Conforme revelou a especialista em cibersegurança Sherri Davidoff, em um recente webinar sobre criptografia, a maior parte dos ataques identificados pela sua companhia, a LGM Security, tem como alvo aparelhos que compõem a Internet das Coisas. Por estarem conectados à Internet e terem fraca segurança, os dispositivos IoT podem facilmente ser infectados com malwares, e seus processadores serem usados para cryptojacking.

As câmeras de segurança, por exemplo, são um dos principais alvos porque se conectam a redes públicas desprotegidas e são bastante genéricas. Dessa forma, o mesmo malware pode ser usado para infectar aparelhos de marcas diferentes. Em alguns casos, esses dispositivos não permitem que os usuários alterem suas senhas de segurança padrão – o que facilita ainda mais o ataque.

Câmeras de segurança são alvos mais fáceis para mineradores de criptomoedas 

Dado que muitos dispositivos da Internet das Coisas não possuem antivírus atualizado ou um sistema de detecção de invasão, é mais provável que o malware permaneça sem ser detectado por mais tempo. A situação seria diferente com smartphones ou computadores, por exemplo, que normalmente contam com softwares de segurança mais eficientes.

Consequências

Se você for alvo de cryptojacking, o processador do seu dispositivo deve ter uma considerável redução da velocidade. Isso porque o aparelho passa a dividir o processamento normal com uma atividade clandestina de mineração de criptomoedas. Além de degradar a vida útil da bateria, o golpe pode sobrecarregar ou possivelmente queimar o processador do eletrônico.

Como se proteger

Para se proteger, é importante que os usuários realizem alguns procedimentos para aumentar a segurança dos aparelhos. “O usuário deve criar senhas fortes e complexas, manter softwares sempre atualizados e utilizar controles adicionais de segurança, como um antivírus de boa qualidade”, explica Cleber.

São consideradas senhas fortes as que incluem uma combinação de letras, números e símbolos. Outra dica é evitar usar a mesma credencial para várias contas – caso contrário, se um hacker acessar algum dispositivo, ele também terá acesso a vários outros. Também é importante evitar se conectar às redes desprotegidas, como, por exemplo, Wi-Fi desconhecidos e sem senha. Conexões inseguras podem tornar o seu dispositivo vulnerável a ataques.

Também é aconselhável manter sistemas operacionais, softwares e aplicativos sempre atualizados. Frequentemente, as desenvolvedoras disponibilizam versões atualizadas do programa, que apresentam possíveis correções às vulnerabilidades. Por fim, vale ainda desligar os dispositivos que não precisam estar conectados à Internet quando não estão sendo usados, como, por exemplo, uma smart TV.

Segundo dados divulgados pela Kaspersky, o número de usuários infectados por mineradores de criptomoedas cresceu 44,5% de 2016-2017 para 2017-2018. Outro dado importante, divulgado pela empresa japonesa TrendMicro, aponta que a mineração de criptomoedas foi o evento de rede mais detectado nos roteadores domésticos em 2017. Já o número de detecções de malwares que mineravam criptomoedas aumentou mais de 10 vezes entre o primeiro e o último trimestre de 2017.

Via Scientific AmericanKaspersky e Trend Micro

Fonte: Tech Tudo

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Internet das Coisas pode ser usada por hackers para minerar criptomoedas

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *