Oferecimento:

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres; atriz, videomaker e youtuber Emanuelly Raquel acredita em convergência da indústria pornografica para conteúdos que atendam aos fetiches delas

Gangbang, MILF, BBW, Fisting, Squirting… Se você nunca leu esses termos, certamente não é um consumidor da indústria pornográfica. Mas, ainda que o entretenimento adulto não seja sua preferência de diversão, vale ressaltar que esse mercado, além de ser o responsável por movimentar bilhões de dólares todos os anos, agora tem voltado a atenção ao público feminino.

No Brasil, a situação não é diferente. Uma pesquisa divulgada pelo Pornhub – um dos portais de pornografia mais populares do mundo, e que vem batendo recordes de acessos desde o começo da pandemia –  o pais é o segundo no mundo com a maior proporção de acessos de mulheres no site, atrás apenas das Filipinas. No relatório divulgado em 2019, mostra que elas foram responsáveis por 39% dos acessos.

Apesar da alta porcentagem, por que o conteúdo adulto ainda é tão masculinizado?  Para a atriz, videomaker e youtuber Emanuelly Raquel o tabu em volta do prazer feminino ainda impede que o mercado olhe para elas com mais atenção.

“Percebo que a indústria do pornô tem voltado os olhos ao público feminino. Prova disso é o boom de vídeos caseiros, feitos pelas próprias mulheres, que têm lotado os sites adultos. Mas ainda falta uma convergência mais intensa, uma produção que se preocupe com o prazer delas”, pontua.

Uma outra pesquisa realizada e divulgada pela revista Addictive Behaviors revela que, de 121 mulheres entrevistadas, 16% disseram assistir a conteúdos adultos mensalmente. Entre a mesma quantidade de homens, a porcentagem  foi de 47%.

Para Emanuelly Raquel, que lidera o ranking de acessos em sites como PornHub, Xvideos, além de Instagram, Youtube, Twitter e Tik Tok, apesar da culpa que muitas mulheres sentem ao revelarem suas preferências sexuais, a indústria de entretenimento adulto tem sido fundamental para estimular o empoderamento feminino.

“O tabu ainda existe, mas vem diminuindo a cada ano. Acredito que pela atitude de muitas mulheres que consomem, produzem e difundem o conteúdo.  Tenho certeza de que quanto mais as mulheres explorarem o próprio corpo e o seu próprio prazer, melhor será para a construção de uma sociedade menos machista e que valorize mais as mulheres”, finaliza.

*A atriz está disponível para falar sobre o assunto e participar de entrevistas sobre o tema.

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Elas também querem gozar! Pesquisa mostra aumento no consumo de pornô pelo público feminino

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *