Oferecimento:

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendeu a  liminar do ministro Marco Aurélio Mello que determinava a soltura de todos os presos que estão detidos em razão de condenações após a segunda instância da Justiça. O ministro acatou o pedido da Procuradoria-Geral da República que pediu a derrubada da liminar.

A decisão liminar (provisória), suspenso por Dias Toffoli , atendia a um pedido do PCdoB e atingia, inclusive, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tem recursos pendentes no STF.

A liminar que determinava a soltura de todos os presos em razão de condenação em segunda instância podia beneficiar cerca de 169,3 mil presos em todo o Brasil, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

De acordo com os dados do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões, 23,9% dos atuais 706 mil detentos de todo o País (número que faz do Brasil a nação com a terceira maior população carcerária ) já foram condenados e tiveram a sentença confirmada em instância superior, mas ainda possuem vias recursais para explorar.

Mais cedo, a chefe da PGR já havia destacado que analisava medidas judiciais cabíveis para lidar com a decisão de Marco Aurélio , destacando que as prisões realizadas após condenação em segunda instância são constitucionais e configuram medida que “contribui para o fim da impunidade.

“O início do cumprimento da pena após decisões de cortes recursais é compatível com a Constituição Federal, além de garantir efetividade ao Direito Penal e contribuir para o fim da impunidade e para assegurar a credibilidade das instituições, conforme já sustentou no STF”, disse Dodge, em nota.

A decisão liminar do ministro do STF foi proferida nesta quarta-feira (19) embasada por artigo da Constituição que assegura que “ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado”.

A decisão de Marco Aurélio Mello saiu dois dias depois do próprio presidente do STF marcar para o dia 10 de abril do ano que vem o julgamento de três ações diretas de inconstitucionalidade (ACIs) que pedem a revisão da prisão em segunda instância em razão do princípio da presunção de inocência.

O principal argumento dessas ACIs é de que o artigo 5º da Constituição Federal define que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgada da sentença penal condenatória” e esse foi justamente o trecho sobre o qual o ministro Marco Aurélio Mello sustentou sua decisão liminar de hoje.

Desde 2016, no entanto, o Supremo entende que a prisão após condenação em segunda instância é possível, mas as açòes no tribunal visam mudar o entendimento já que o ministro Gilmar Mendes, um por votar a favor desse entendimento, já declarou que mudou de opinião.

Desde então, alguns dos integrantes do STF tentarão pressionar a ex-presidente do STF, ministra Carmén Lúcia, a rediscutir o tema. Ela, no entanto, avaliou que seria “oportunista” rediscutir o tópico em tão pouco tempo. A questão foi levantada diversas vezes durante o julgamento de recursos do ex-presidente Lula que é o condenado mais famoso que está preso com base nessa decisão.

Apesar da mudança de postura de Gilmar Mendes, no entanto, as votações que rediscutiram esse fato sempre acabaram sendo contrárias a Lula dado que a ministra Rosa Weber, uma das contrárias à prisão em segunda instância, sempre escolheu votar conforme o entendimento do colegiado e não conforme suas próprias convicções pessoais.

Conforme agendado por Dias Toffoli , porém, quando a constitucionalidade da prisão em segunda instância voltar a ser discutida no plenário do Supremo, a tendência é que haja uma reversão sobre o tema.

Fonte: Último Segundo – iG 

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Dias Toffoli suspende liminar de Marco Aurélio sobre prisão em segunda instância

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas