Pular para a barra de ferramentas

Oferecimento:

Vista como uma esperança no tratamento de pacientes com Covid-19, a cloroquina pode não ser tão segura assim. Um estudo brasileiro realizado em Manaus, que contou com 81 participantes infectados pela doença e utilizou o medicamento como possível solução, foi interrompido precocemente devido a problemas de segurança.

Pacientes que receberam uma dose mais alta do remédio desenvolveram batimentos cardíacos irregulares, o que aumentou o risco de uma arritmia cardíaca potencialmente fatal. Cerca de metade dos participantes do estudo recebeu uma dose de 450 miligramas de cloroquina duas vezes ao dia, durante cinco dias. O restante recebeu doses de 600 miligramas, por 10 dias.

Em três dias de estudo, os pesquisadores começaram a perceber arritmias cardíacas em pacientes que tomavam a dose mais alta. No sexto dia do tratamento, 11 pacientes morreram, levando ao fim imediato da pesquisa.

Medicamento não é a cura

Ludhmila Abrahão Hajjar, diretora de ciência e tecnologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia e professora do InCor, alerta para o uso do medicamento, em entrevista à Folha de São Paulo: “Cloroquina não é vacina. Está sendo vista como salvadora, e não é. Mas se você fala isso, já começa a apanhar porque virou uma questão nacional de pressão. Mas a realidade científica é essa, não tem evidência [de eficácia]”.

Hajjar, que fez parte da comissão de especialistas que se reuniu com Jair Bolsonaro há duas semanas para discutir o uso da cloroquina, disse que alertou o presidente sobre a falta de evidências sobre o uso da droga.

Apesar dos defensores da medicação, a médica informa que os “efeitos adversos não devem ser desprezíveis”. Ela explica que a arritmia é mais difícil de ocorrer quando a pessoa está com o coração saudável, mas que devemos lembrar que “até 40% dos pacientes infectados pela Covid-19 têm algum tipo de injúria ao sistema cardiovascular”.

Apesar das limitações nos resultados, médicos e especialistas disseram que os dados reunidos por este estudo encerrado forneceu evidências de que a cloroquina e a hidroxicloroquina, ambas usadas no tratamento de malária, podem causar dados significativos em alguns pacientes, especificamente em casos em que há algum problema relacionado ao coração.

Via: NY TimesFolha de São Paulo 

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Covid-19: estudo com cloroquina é interrompido por risco à saúde

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *