Pular para a barra de ferramentas

Oferecimento:

O brasileiro não está muito confiante nos benefícios da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), aprovada em agosto, e acredita que as novas regras farão muito pouco para cumprir o objetivo principal – que é proteger os dados pessoais de usuários da internet.

A LGPD estabelece uma série de regras para o uso de dados e tem capacidade de não só multar uma empresa no caso do vazamento dessas informações, como também de responsabilizá-las caso seja concluído que a segurança dos usuários foi negligenciada.

Em tempos de grandes escândalos como o uso indevido de dados de usuários do Facebook pela consultoria política Cambridge Analytica, e até mesmo o bug que expôs informações de usuários do Google+ a preocupação com a privacidade desses dados ganhou força.

Assim, seguindo os passos de uma legislação parecida na União Europeia, o Congresso Nacional aprovou há alguns meses uma série de regras que valem para empresas que atuam no Brasil. A legislação foi sancionada por Michel Temer em agosto, e deve começar a valer apenas em 2020, 18 meses após a aprovação presidencial.

Nos dias seguintes à aprovação da LGPD, a Unisys realizava entrevistas para a edição 2018 do Índice de Segurança Unisys. O estudo foi divulgado nesta terça-feira, 30, em São Paulo, e já conta com informações sobre a percepção dos brasileiros em relação à nova legislação.

Mais pessimismo do que otimismo

Ao todo, mil brasileiros foram ouvidos para a elaboração do Índice de Segurança da Unisys, e as expectativas das pessoas com relação à legislação não é das melhores. Segundo o estudo, o nível de preocupação do brasileiro com questões referentes à proteção de dados é bastante elevado, mas a confiança na efetividade da lei é baixa – 58% dos entrevistados não acredita que ela tratá benefícios a usuários comuns.

Apenas 9% dos entrevistados se dizem muito confiantes na nova legislação, enquanto 33% se dizem apenas “mais ou menos confiantes”. Segundo Eduardo Almeida, vice-presidente e gerente geral da Unisys na América Latina, os números mostram que há um longo trabalho a ser feito pela frente. “Esse e outros resultados da pesquisa reforçam a tese de que empresas devem investir continuamente em soluções de segurança para proteger dados dos consumidores,” explicou o executivo.

Outras questões que preocupam bastante os brasileiros são temas relacionados à segurança pessoal. O estudo indica que 76% dos entrevistados temem roubo de identidade pela internet – o acesso não autorizado ou o uso indevido de dados pessoais por outras pessoas. Esse é mais um indício de que, com os escândalos recentes de vazamento de dados, as informações pessoais passaram a ser consideradas importantes pelos brasileiros na web.

Fonte: Olhar Digital

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Brasileiros não acreditam que lei de proteção de dados vai trazer benefícios

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *