Oferecimento:

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse considerar que o Brasil tem agora a “última chance” de aprovar a reforma da Previdência sem tirar direitos da população. Para o deputado, a demora na aprovação do projeto poderia causar um “colapso fiscal”.

Em entrevista concedida à GloboNews nesta quarta-feira (6), Maia disse que o ambiente para votar a proposta é bom e informou que o plenário deve votar o tema até a segunda quinzena de maio . Segundo o parlamentar, a articulação para a votação da reforma da Previdência é prioridade sobre o projeto de lei anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Os dois textos devem tramitar em paralelo pelas comissões da Câmara, mas a Previdência deve chegar antes ao plenário. “Se a gente antecipar esse debate [sobre a proposta de Moro], podemos contaminar o da Previdência”, explicou. O texto de Moro deve passar por mais comissões e debates antes de ser votado em definitivo.

Quando o governo Bolsonaro enviar a proposta da Previdência, o texto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, em seguida, por uma comissão especial. Somente depois disso ele deverá ser colocado em votação pelo plenário.

Com o objetivo de acelerar a aprovação do projeto, uma possibilidade seria incluir a proposta do governo Bolsonaro no texto enviado por Michel Temer (MDB) em 2016, que já foi aprovado pela comissão especial e está pronto para ser votado no plenário. Maia, no entanto, critica a opção . “Se marcarmos a votação para esse mês, a possibilidade de um resultado contrário seria muito grande. Se fizer isso, vamos transformar o plenário em um campo de guerra.”

Após sua reeleição à presidência da Câmara, Rodrigo Maia assumiu um papel fundamental na articulação política da proposta da reforma. “Quando [a proposta] chegar na Câmara, a responsabilidade será minha”, afirmou.

Nesta terça-feira (5), ele se reuniu com a equipe econômica de Bolsonaro , incluindo o ministro da Economia, Paulo Guedes. Durante a entrevista, Maia também revelou que tem se encontrado com governadores de todos os estados para defender a reforma na base.

 “A Câmara me deu uma responsabilidade muito grande com a votação que eu tive. Isso me obriga a liderar grandes votações”, afirmou. Como vem sendo feito por todos os líderes, Maia pregou a união e disse que não se trata de uma votação nem de esquerda nem de direita. Para ele, a reforma da Previdência é algo necessário para todo o país.

 Fonte: Último Segundo – iG 

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Brasil tem “última chance” de reformar Previdência sem tirar direitos, diz Maia

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas