Oferecimento:

Desde o início do ano há uma crise sanitária em todo o mundo, em função do coronavírus. E, infelizmente, o Brasil ainda possui uma baixa taxa de testagem para a doença. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS) esse índice deve ser de 10 a 30 vezes a mais que o número de infectados. E, no Brasil, segundo o Our World in Data, plataforma de dados de Oxford, são realizados, aproximadamente, 1,1 testes para cada caso confirmado. Em função dessa testagem reduzida, o número de casos positivos identificados pode não ser real.

De acordo com a OMS, quanto maior o número de casos confirmados, maior deve ser o índice de testes. No Brasil, até 12 de junho, eram mais de 800 mil casos confirmados e cerca de 400 mil em acompanhamento. Com isso, o país é, atualmente, a segunda nação com mais infectados no mundo, atrás, apenas dos Estados Unidos, com aproximadamente dois milhões de infectados.

Ainda segundo o Our World in Data, na primeira semana de junho, o Brasil totalizava uma média de 2,28 pessoas testadas a cada 100 mil habitantes, enquanto na Itália e nos EUA, a média era de 69,25 e 61,59 testados, respectivamente. Dessa forma, a quantidade de testes realizados no Brasil não demonstra a precisão no número de infectados e mortos, tornando os dados divergentes da realidade.

Atualmente, o período para que a resposta de um teste de detecção da covid-19 seja entregue e contabilizada pelo Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), sistema usado pelo Ministério da Saúde para registrar as contaminações pelo coronavírus, pode ser de até uma semana. Pois nessa testagem é considerado apenas o exame molecular, conhecido por RT-PCR, que é feito somente em laboratórios por meio da coleta de uma secreção do nariz.

Esse tempo é longo, se tratando da urgência em que as medidas necessárias devem ser tomadas para a contenção desse vírus. Por exemplo, uma vez que uma pessoa fez o teste, mas não tem o resultado em tempo oportuno, ela pode se tornar uma fonte de propagação, mesmo sem saber. Isso reafirma a importância do diagnóstico rápido para evitar o aumento da doença.

No Brasil, já existem testes, aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que cumprem esse papel de entrega de resultados em um curto intervalo de tempo. Entre eles está o Alfa Scientific, importado dos Estados Unidos, capaz de detectar o vírus a partir do sétimo dia de contato com o organismo. Ele é feito por meio da coleta de sangue, com uma picada no dedo ou por punção venosa. Após o sangue ser misturado com o reagente, o teste aponta o resultado em até 10 minutos.

Além disso, ele permite identificar se a pessoa, em algum momento, teve contato com o patógeno da doença, mesmo não tendo ficado doente. Ele já está sendo utilizado, por exemplo, em empresas que já retomaram suas atividades e querem garantir a segurança de seus colaboradores, como é o caso de algumas mineradoras que atuam no estado de Minas Gerais.

Testes como esses que agilizam o processo de detecção do novo coronavírus podem ser importantes aliados nesse momento, contribuindo para que o Brasil supere esse desafio sanitário, econômico e comunitário.

Rodrigo Silveira, diretor da Orbitae

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
A necessidade da testagem rápida e ampla para combater o coronavírus

Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas